Sonhos na Areia


Sonhos na Areia
Sua mãe contou-lhe quando era mais nova a história do João Pestana. Todas as noites a criança sonhava, e quando acordava tirava a meleca do olho acreditando que aquilo era a areia que o João Pestana havia colocado em seus olhos para ter bons sonhos.
As histórias que sua mãe contava todas as noites transformavam-se em sonhos, lindos sonhos. Ela sonhava com castelos, princesas, reis e rainhas, fadas, viagens pelas estrelas e aventuras oníricas ao lado de algum grande amor. Vez ou outra seus lindos sonhos tornavam-se pesadelos, e então enormes monstros apareciam e destruíam os castelos, as princesas eram aprisionadas num sono eterno, era aterrador para ela, mas sempre que os maus sonhos chegavam, ela chorava e logo sua mamãe aparecia acalmando-a, logo em seguida o papai vinha se arrastando pelo corredor, seus olhos pesados de sono, mas ele sempre ia lá, lhe dava um abraço e beijo de boa noite, e os pais esperavam ela dormir, muitas vezes até dormiam juntos, e quando ela finalmente dormia os bons sonhos retornavam, e em seu sono ela sorria.
A criança cresceu, e apesar de sua infância feliz ela contraiu uma forte depressão em sua adolescência, pois seu pai havia falecido, a mãe tentou resistir a dor, tinha que cuidar de sua filinha seu bebê, mas ao resistiu, ela amou tão intensamente seu marido que não suportou ficar sem ele e sucumbiu, a criança, ficou sozinha. Ela foi mandada para casa de seu tio.
Na casa de seu tio ela foi tratada com desprezo, como um cachorro com pulgas, era tão humilhada que se sentia um nada. Ela se sentia a gata borralheira, das histórias.
A garota conheceu um rapaz, e rapidamente uma paixão louca e alucinada tomou conta de seu corpo. O rapaz a iniciou no mundo das drogas, começou com um baseado, depois o vicio foi crescendo e ela se tornou dependente, o vício avançou e ela começou a usar pó.
Sua infância cheia de histórias de fadas voltou de súbito a sua mente.
Ela então lembrou-se do João Pestana e sua areia dos sonhos. Quando começou a cheirar pó, teve devaneios incríveis, se sentiu tão bem que achou que era o João Pestana o responsável por isso. Iludida e alegra pela fuga da realidade pungente, ela usou tanto que não percebeu os estragos causados pela droga.
Lá estava ela em seu palácio, com seu amado príncipe, contemplando o crepúsculo, quando de repente ela piscou os olhos e tudo desapareceu e ao seu lado estava um lindo rapaz com suas as negras projetadas em suas costas. Ele estendeu a mão e ela a agarrou, então as asas do rapaz se abriram e bateram forte, ele subiu e levou a garota consigo. Pelo infinito elas voaram e quando ela finalmente percebeu o que estava acontecendo, sorriu pois o rapaz a estava levando ao encontro de seus pais...

Nenhum comentário: